segunda-feira, 30 de Maio de 2011

As mãos como linguagem: cegos, surdos e mudos


"Aprender uma língua não é apenas uma mera questão de memorizar palavras e frases individuais. De acordo com o professor de Harvard e o linguista Steven Pinker, de partes de palavras, de acordo com as regras. No inicio da sua obra, “O material do pensamento”, ele diz: “A linguagem é a janela para a natureza humana, que expõe características profundas e universais dos nossos pensamentos e sentimentos. Os pensamentos e sentimentos não podem ser equacionados aos sentimentos propriamente ditos”.

Mas apesar de todas as potencialidades da linguagem, existem também zonas nas quais é inapropriada ou deficiente, essencialmente num relacionamento comum (de acordo com os tipos de relacionamentos reconhecidos pelo antropólogo Alan Fikke). A ideia de incomunicabilidade pode muitas vezes assustar e esse sentimento é compartilhado pelos deficientes.
Os surdos, os cegos e os mudos são obrigados a desenvolverem linguagem específica, de forma a poderem superar as suas dificuldades de comunicação, eles criam e recriam códigos. Uma das novas formas de um mudo ler e ver o mundo, é por exemplo na palma das suas mãos."

Sem comentários:

Enviar um comentário